quinta-feira, 3 de junho de 2010

O visitante- Márcia Taube

Todos os dias, no fim da tarde, sento-me na soleira dessa casa imaginária, que julgo habitar e aguardo com os olhos aflitos o regresso de alguém que virá de surpresa. Esse alguém sem sexo definido, usa um chapéu de palha e monta um pangaré. Vem de muito longe, me trazendo algum agrado embrulhado em papel almaço e fita de barbante. Nunca avisa. Nunca vem. Esse alguém podia ser meu pai, meu avô morto, minha amiga para sempre esquecida. Não tenho pressa nessa chegada, pois me agrada a longa espera. Enquanto fito o horizonte inexistente, agradeço a Deus por aquilo que julgo faltar em minha vida ser tão pequena coisa. Aguardo, pois, com alegria e esperança, minha querida visita. Márcia.

2 comentários:

  1. Muitas das vezes a espera que parece interminável tem fim... Se o encontro não aconte pode ser que os caminhos sejam paralelo... Não sei se a matemática explica... Como algo que parte de um mesmo ponto pode ser paralelo? Bonita foto. Bom ver um sorriso seu.
    DEUS te abençoe.

    ResponderExcluir
  2. Mas ela acabará hoje

    ResponderExcluir