quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Allen Ginsberg Reading Howl (Part 1)


For Carl Solomon

I saw the best minds of my generation destroyed by
madness, starving hysterical naked,
dragging themselves through the negro streets at dawn
looking for an angry fix,
angelheaded hipsters burning for the ancient heavenly
connection to the starry dynamo in the machin-
ery of night,
who poverty and tatters and hollow-eyed and high sat
up smoking in the supernatural darkness of
cold-water flats floating across the tops of cities
contemplating jazz,
who bared their brains to Heaven under the El and
saw Mohammedan angels staggering on tene-
ment roofs illuminated,
who passed through universities with radiant cool eyes
hallucinating Arkansas and Blake-light tragedy
among the scholars of war,
who were expelled from the academies for crazy &
publishing obscene odes on the windows of the
who cowered in unshaven rooms in underwear, burn-
ing their money in wastebaskets and listening
to the Terror through the wall,
who got busted in their pubic beards returning through
Laredo with a belt of marijuana for New York,
who ate fire in paint hotels or drank turpentine in
Paradise Alley, death, or purgatoried their
torsos night after night
with dreams, with drugs, with waking nightmares, al-
cohol and cock and endless balls,
incomparable blind; streets of shuddering cloud and
lightning in the mind leaping toward poles of
Canada & Paterson, illuminating all the mo-
tionless world of Time between,
Peyote solidities of halls, backyard green tree cemetery
dawns, wine drunkenness over the rooftops,
storefront boroughs of teahead joyride neon
blinking traffic light, sun and moon and tree
vibrations in the roaring winter dusks of Brook-
lyn, ashcan rantings and kind king light of mind,
who chained themselves to subways for the endless
ride from Battery to holy Bronx on benzedrine
until the noise of wheels and children brought
them down shuddering mouth-wracked and
battered bleak of brain all drained of brilliance
in the drear light of Zoo,
who sank all night in submarine light of Bickford's
floated out and sat through the stale beer after
noon in desolate Fugazzi's, listening to the crack
of doom on the hydrogen jukebox,
who talked continuously seventy hours from park to
pad to bar to Bellevue to museum to the Brook-
lyn Bridge,
lost battalion of platonic conversationalists jumping
down the stoops off fire escapes off windowsills
off Empire State out of the moon,
yacketayakking screaming vomiting whispering facts
and memories and anecdotes and eyeball kicks
and shocks of hospitals and jails and wars,
whole intellects disgorged in total recall for seven days
and nights with brilliant eyes, meat for the
Synagogue cast on the pavement,
who vanished into nowhere Zen New Jersey leaving a
trail of ambiguous picture postcards of Atlantic
City Hall,
suffering Eastern sweats and Tangerian bone-grind-
ings and migraines of China under junk-with-
drawal in Newark's bleak furnished room,
who wandered around and around at midnight in the
railroad yard wondering where to go, and went,
leaving no broken hearts,
who lit cigarettes in boxcars boxcars boxcars racketing
through snow toward lonesome farms in grand-
father night,
who studied Plotinus Poe St. John of the Cross telep-
athy and bop kabbalah because the cosmos in-
stinctively vibrated at their feet in Kansas,
who loned it through the streets of Idaho seeking vis-
ionary indian angels who were visionary indian
who thought they were only mad when Baltimore
gleamed in supernatural ecstasy,
who jumped in limousines with the Chinaman of Okla-
homa on the impulse of winter midnight street
light smalltown rain,
who lounged hungry and lonesome through Houston
seeking jazz or sex or soup, and followed the
brilliant Spaniard to converse about America
and Eternity, a hopeless task, and so took ship
to Africa,
who disappeared into the volcanoes of Mexico leaving
behind nothing but the shadow of dungarees
and the lava and ash of poetry scattered in fire
place Chicago,
who reappeared on the West Coast investigating the
F.B.I. in beards and shorts with big pacifist
eyes sexy in their dark skin passing out incom-
prehensible leaflets,
who burned cigarette holes in their arms protesting
the narcotic tobacco haze of Capitalism,
who distributed Supercommunist pamphlets in Union
Square weeping and undressing while the sirens
of Los Alamos wailed them down, and wailed
down Wall, and the Staten Island ferry also
who broke down crying in white gymnasiums naked
and trembling before the machinery of other
who bit detectives in the neck and shrieked with delight
in policecars for committing no crime but their
own wild cooking pederasty and intoxication,
who howled on their knees in the subway and were
dragged off the roof waving genitals and manu-
who let themselves be fucked in the ass by saintly
motorcyclists, and screamed with joy,
who blew and were blown by those human seraphim,
the sailors, caresses of Atlantic and Caribbean
who balled in the morning in the evenings in rose
gardens and the grass of public parks and
cemeteries scattering their semen freely to
whomever come who may,
who hiccuped endlessly trying to giggle but wound up
with a sob behind a partition in a Turkish Bath
when the blond & naked angel came to pierce
them with a sword,
who lost their loveboys to the three old shrews of fate
the one eyed shrew of the heterosexual dollar
the one eyed shrew that winks out of the womb
and the one eyed shrew that does nothing but
sit on her ass and snip the intellectual golden
threads of the craftsman's loom,
who copulated ecstatic and insatiate with a bottle of
beer a sweetheart a package of cigarettes a can-
dle and fell off the bed, and continued along
the floor and down the hall and ended fainting
on the wall with a vision of ultimate cunt and
come eluding the last gyzym of consciousness,
who sweetened the snatches of a million girls trembling
in the sunset, and were red eyed in the morning
but prepared to sweeten the snatch of the sun
rise, flashing buttocks under barns and naked
in the lake,
who went out whoring through Colorado in myriad
stolen night-cars, N.C., secret hero of these
poems, cocksman and Adonis of Denver-joy
to the memory of his innumerable lays of girls
in empty lots & diner backyards, moviehouses'
rickety rows, on mountaintops in caves or with
gaunt waitresses in familiar roadside lonely pet-
ticoat upliftings & especially secret gas-station
solipsisms of johns, & hometown alleys too,
who faded out in vast sordid movies, were shifted in
dreams, woke on a sudden Manhattan, and
picked themselves up out of basements hung
over with heartless Tokay and horrors of Third
Avenue iron dreams & stumbled to unemploy-
ment offices,
who walked all night with their shoes full of blood on
the snowbank docks waiting for a door in the
East River to open to a room full of steamheat
and opium,
who created great suicidal dramas on the apartment
cliff-banks of the Hudson under the wartime
blue floodlight of the moon & their heads shall
be crowned with laurel in oblivion,
who ate the lamb stew of the imagination or digested
the crab at the muddy bottom of the rivers of
who wept at the romance of the streets with their
pushcarts full of onions and bad music,
who sat in boxes breathing in the darkness under the
bridge, and rose up to build harpsichords in
their lofts,
who coughed on the sixth floor of Harlem crowned
with flame under the tubercular sky surrounded
by orange crates of theology,
who scribbled all night rocking and rolling over lofty
incantations which in the yellow morning were
stanzas of gibberish,
who cooked rotten animals lung heart feet tail borsht
& tortillas dreaming of the pure vegetable
who plunged themselves under meat trucks looking for
an egg,
who threw their watches off the roof to cast their ballot
for Eternity outside of Time, & alarm clocks
fell on their heads every day for the next decade,
who cut their wrists three times successively unsuccess-
fully, gave up and were forced to open antique
stores where they thought they were growing
old and cried,
who were burned alive in their innocent flannel suits
on Madison Avenue amid blasts of leaden verse
& the tanked-up clatter of the iron regiments
of fashion & the nitroglycerine shrieks of the
fairies of advertising & the mustard gas of sinis-
ter intelligent editors, or were run down by the
drunken taxicabs of Absolute Reality,
who jumped off the Brooklyn Bridge this actually hap-
pened and walked away unknown and forgotten
into the ghostly daze of Chinatown soup alley
ways & firetrucks, not even one free beer,
who sang out of their windows in despair, fell out of
the subway window, jumped in the filthy Pas-
saic, leaped on negroes, cried all over the street,
danced on broken wineglasses barefoot smashed
phonograph records of nostalgic European
1930s German jazz finished the whiskey and
threw up groaning into the bloody toilet, moans
in their ears and the blast of colossal steam
who barreled down the highways of the past journeying
to each other's hotrod-Golgotha jail-solitude
watch or Birmingham jazz incarnation,
who drove crosscountry seventytwo hours to find out
if I had a vision or you had a vision or he had
a vision to find out Eternity,
who journeyed to Denver, who died in Denver, who
came back to Denver & waited in vain, who
watched over Denver & brooded & loned in
Denver and finally went away to find out the
Time, & now Denver is lonesome for her heroes,
who fell on their knees in hopeless cathedrals praying
for each other's salvation and light and breasts,
until the soul illuminated its hair for a second,
who crashed through their minds in jail waiting for
impossible criminals with golden heads and the
charm of reality in their hearts who sang sweet
blues to Alcatraz,
who retired to Mexico to cultivate a habit, or Rocky
Mount to tender Buddha or Tangiers to boys
or Southern Pacific to the black locomotive or
Harvard to Narcissus to Woodlawn to the
daisychain or grave,
who demanded sanity trials accusing the radio of hyp
notism & were left with their insanity & their
hands & a hung jury,
who threw potato salad at CCNY lecturers on Dadaism
and subsequently presented themselves on the
granite steps of the madhouse with shaven heads
and harlequin speech of suicide, demanding in-
stantaneous lobotomy,
and who were given instead the concrete void of insulin
Metrazol electricity hydrotherapy psycho-
therapy occupational therapy pingpong &
who in humorless protest overturned only one symbolic
pingpong table, resting briefly in catatonia,
returning years later truly bald except for a wig of
blood, and tears and fingers, to the visible mad
man doom of the wards of the madtowns of the
Pilgrim State's Rockland's and Greystone's foetid
halls, bickering with the echoes of the soul, rock-
ing and rolling in the midnight solitude-bench
dolmen-realms of love, dream of life a night-
mare, bodies turned to stone as heavy as the
with mother finally ******, and the last fantastic book
flung out of the tenement window, and the last
door closed at 4. A.M. and the last telephone
slammed at the wall in reply and the last fur-
nished room emptied down to the last piece of
mental furniture, a yellow paper rose twisted
on a wire hanger in the closet, and even that
imaginary, nothing but a hopeful little bit of
ah, Carl, while you are not safe I am not safe, and
now you're really in the total animal soup of
and who therefore ran through the icy streets obsessed
with a sudden flash of the alchemy of the use
of the ellipse the catalog the meter & the vibrat-
ing plane,
who dreamt and made incarnate gaps in Time & Space
through images juxtaposed, and trapped the
archangel of the soul between 2 visual images
and joined the elemental verbs and set the noun
and dash of consciousness together jumping
with sensation of Pater Omnipotens Aeterna
to recreate the syntax and measure of poor human
prose and stand before you speechless and intel-
ligent and shaking with shame, rejected yet con-
fessing out the soul to conform to the rhythm
of thought in his naked and endless head,
the madman bum and angel beat in Time, unknown,
yet putting down here what might be left to say
in time come after death,
and rose reincarnate in the ghostly clothes of jazz in
the goldhorn shadow of the band and blew the
suffering of America's naked mind for love into
an eli eli lamma lamma sabacthani saxophone
cry that shivered the cities down to the last radio
with the absolute heart of the poem of life butchered
out of their own bodies good to eat a thousand

terça-feira, 23 de novembro de 2010


“ Em julho de 1947,tendo economizado uns cinquenta dólares da minha velha pensão de veterano, eu estava pronto para ir à Costa Oeste. Meu amigo Remi Boncoeur havia escrito uma carta de São Francisco dizendo que eu deveria embarcar com ele num navio para uma volta ao mundo. Ele jurava que conseguiria me arranjar um lugar na casa de máquinas. Respondi dizendo que já estaria satisfeito com um velho cargueiro qualquer, contanto que pudesse curtir longas navegadas pelo Pacífico e voltar com dinheiro suficiente para me sustentar na casa de minha tia enquanto terminava meu livro. Ele disse que tinha uma cabana em Mill City e que lá eu teria todo o tempo do mundo para escrever enquanto a gente aguardasse a aporrinhacão burocrática antes de pegar o navio. Ele estava morando com uma garota chamada Lee Ann; disse que ela era uma cozinheira maravilhosa e que tudo daria certo. Remi era um velho colega da escola preparatória, um Frances muito louco- nessa época eu não imaginava quanto! Assim, ele aguardava minha chegada para dentro de uns dez dias. Minha tia estava inteiramente de acordo com minha viagem para o Oeste; ela disse que aquilo me faria bem, eu havia trabalhado duro durante o inverno e ficado demais dentro de casa; ela não reclamou nem mesmo quando eu lhe disse que teria que pegar umas caronas. Tudo que ela esperava era que eu voltasse inteiro. E assim, certa manhã, deixando meu grosso manuscrito incompleto sobre a escrivaninha e dobrando pela última vez meus confortáveis lençóis caseiros, parti com meu saco de viagem no qual poucas coisas fundamentais foram enfiadas, e caí fora em direção ao oceano Pacífico com cinqüenta dólares no bolso. “

Jack Kerouac

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Satori em Paris

Satori é uma palavra oriunda do budismo. Quer dizer algo entre revelacão e compreensão súbita e duradoura. O instante em que algo se ilumina para nós, revelando o que de fato, é.
Kerouac, estudioso do zen-budismo, nos conta como foi sua breve estadia na cidade luz e em seguida na Bretanha, perambulando por lugares não muito convencionais. Vai atrás da história de seus antepassados, mas encontra através das pessoas com quem trava conhecimentos, seu satori. Nesse livro ele representa ele mesmo, em seus devaneios. Relata os fatos mais insignificantes em seu diário, como se fossem únicos. Um retrato de sua mente tresloucada.
Foi o primeiro livro que li deste autor e para dizer a verdade, cheguei até o final de raiva. Todo o tempo me perguntei qual era o fundamento dessa viagem e onde estava, afinal, a sonhada iluminacão.
Para entender Kerouac, uma obra é pouco. Primeiro, deve-se conhecer sua vida, as bases daquilo que ele se tornou. Em seguida, ir direto à sua grande obra, que sem dúvida foi On The Road. Deixe este livro por último, quando já estiver mais íntimo, ou correrá o risco de desistir das complexidades Kerouaquianas!

Jack Kerouac

Terminei de ler Satori em Paris, do pai dos Beats, o legendário...quem???
Eu explico. Viajando com minha família e alguns amigos no feriadão de 15 de novembro, comprei no aeroporto esse pocket-book, que li em menos de 48 horas, no carro mesmo. Adoro esses pockets e acho um dinheiro muito mais bem empregado do que aquele gasto em revistas.
Acontece que todo mundo ficou me gozando, por causa do livro. Quem é esse p...a ? O povo amigo acha que ocupo meus bits a toa, com coisas que não são práticas nem geram renda.
Eles até tem certa razão, mas nesse caso, erraram feio. Se você também não sabe de quem se trata, sinto muito, precisa nascer de novo!
Mas vou tentar ser legal, e falar um pouquinho do meu novo-melhor-amigo-autor-favorito-do-momento.
Alguns anos atrás, entrei em contato com os nomes da Contracultura, ao fazer um trabalhinho bacana para a faculdade. Todos faziam referencia ao Kerouac, como pai da "geração beat" , ou Movimento beat, que ocorreu nos Eua, final dos anos 50/início dos 60, que acabou por se tornar um verdadeiro movimento cultural, envolvendo artistas de diversas áreas, que buscavam uma vida mais livre, muitas vezes em comunidades, ou com o pé na estrada. Para entender o que significou esse movimento nos dias de hoje, seria preciso um esforco muito maior do que assistir ao filme Hair, ou A Juventude Transviada, com James Dean. O movimento Hippie se inspirou nos beats. Os Beatles, tiraram daí seu nome.
Depois dos Beats,a América nunca mais foi a mesma. Nem o mundo. Mas nem mesmo Kerouac conseguia explicar sem ser evasivo o significado da palavra Beat.
Sua prosa era espontânea, por vezes parecia uma metralhadora verborrágica. Não respeitava parágrafos, normas gramaticais.Por outras, era pura poesia, pois gostava de escrever ao som de sax. Escrevia para ser lido em voz alta.
Fala da minorias. Dos excluídos. Dos solitários. De uma geracão que rompe com aquilo que lhe é proposto, subverte as regras, busca a liberdade a margem da sociedade. Filhos da classe média buscam a marginalidade, o movimento surge de dentro das famílias abastadas para a periferia.
Aceita os desiguais, entra em contato com filosofias orientais e se deixa influenciar. Em um momento em que não se tinha tanto conhecimento a respeito das drogas alucinógenas, estas também passam a ser usadas como instrumentos de expansão da consciência.
Bob Dylan fugiu de casa, após ler ON THE ROAD, desse autor, assim como nosso cineata Hector Babenco.
Transcrevo, abaixo,um trecho de carta que o Kerouac escreve no México e envia a um amigo, em 1956, ainda quando não havia conseguido publicar nenhum de seus livros. Um ano depois, a lagarta transformar-se-ia em borboleta:

"O que tenho eu? Tenho 35 anos. Uma ex-mulher que me odeia e que gostaria de me ver na cadeia. Uma filha que nunca vejo. Um bolso vazio. Minha própria mãe após todos esses anos de labuta e lágrimas, ainda rala o rabo numa fábrica de sapatos. E eu não tenho um só centavo, nem para uma puta que preste. Maldito seja! Filho da puta! Às vezes penso que a úncia coisa que está pronta para me aceiTar é a morte. Nada nesse mundo parece me querer, ou lembrar-se de mim. Sabe o que acho dessa vida desprezível? Vou abandonar essa história de romances épicos e tentar a concentrar meu talento -se é que tenho algum- no que quer que não seja escrever. O que sei é que existem apenas dor e desespero aguardando por nós todos, especialmente por mim. Sou o mais solitário escritor da América, e vou lhe dizer por quê: porque escrevi seis longos romances desde mar;o de 1951 e nenhum deles foi aceito até agora, agora, AGORA!"

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Quase- Luís Fernando Veríssimo

Ainda pior que a convicção do não,

É a incerteza do talvez,

É a desilusão de um quase!

É o quase que me incomoda,

Que me entristece,

Que me mata trazendo tudo que poderia ter sido e não foi.

Quem quase ganhou ainda joga,

Quem quase passou ainda estuda,

Quem quase amou não amou.

Basta pensar nas oportunidades que escaparam pelos dedos,

Nas chances que se perdem por medo,

Nas idéias que nunca sairão do papel por essa maldita mania de viver no outono.

Pergunto-me, às vezes, o que nos leva a escolher uma vida morna.

A resposta eu sei de cor.

Está estampada na distância e na frieza dos sorrisos,

Na frouxidão dos abraços,

Na indiferença dos "bom dia", quase que sussurrados.

Sobra covardia e falta coragem até para ser feliz.

A paixão queima,

O amor enlouquece,

O desejo trai.

Talvez esses fossem bons motivos para decidir entre a alegria e a dor.

Mas não são.

Se a virtude estivesse mesmo no meio-termo,

O mar não teria ondas,

Os dias seriam nublados e o arco-íris em tons de cinza.

O nada não ilumina,

Não inspira,

Não aflige nem acalma,

Apenas amplia o vazio que cada um traz dentro de si.

Preferir a derrota prévia à dúvida da vitória é desperdiçar a oportunidade de merecer.

Para os erros há perdão,

Para os fracassos, chance,

Para os amores impossíveis, tempo.

De nada adianta cercar um coração vazio ou economizar alma.

Um romance cujo fim é instantâneo ou indolor não é romance.

Não deixe que a saudade sufoque,

que a rotina acomode,

que o medo impeça de tentar.

Desconfie do destino e acredite em você.

Gaste mais horas realizando que sonhando...

Fazendo que planejando...

Vivendo que esperando...

Porque, embora quem quase morre esteja vivo,

Quem quase vive já morreu.

sábado, 6 de novembro de 2010

Receita de Clericot

Quem me conhece sabe que adoro drinks, de preferência servidos nos copos certos e no maior capricho. O Clericot é perfeito para nosso clima, cheio de frutas (que podem ser adaptadas à estacão)e geladíssimo. Lembra minha viagem à Punta del Este, anos atrás. Bares com mesas e espreguicadeiras na areia,toalhas e almofadas impecavelmente brancas, comidinhas e o sol se pondo. Fazendo hora para esperar o jantar. Quando chega a jarra, mudamos de idéia, não é que podíamos ficar por aqui mesmo e beliscar qualquer coisa? Fiz uma pesquisa rápida antes de postar e descobri que a bebida nào é invencão dos puntadelessenses, mas proveniente da índia. Eu meio que pressentia isso. Ao final da segunda jarra, falávamos fluentemente esse idioma. Mas eis aí a receita, que acata variacões: Ingredientes 1 garrafa de vinho branco bem gelado Frutas ( laranja, pêra, pêssegos, morangos) 1 cálice de licor marasquino, 1 cálice de licor Grand Marnier Champagne bem gelado Cubos de gelo Modo de Preparo Corte a laranja em fatias finas e coloque-as em uma jarra e regue com o Marraschino e com o Grand Marnier. Deixe em repourso por meia hora. Depois corte a pêra, os morangos e os pêssegos descascados em cubos e coloque na jarra. Em seguida despeje o vinho sobre as frutas e misture delicadamente. Adicione o gelo e champanhe. Sirva. A jarra da foto eu peguei na internet. Bom fim de semana!

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Janis Joplin "Summertime" (LIVE)

Homenagem do blog aos 40 anos da morte desta maravilhosa cantora! Jane vive para sempre! Summertime Janis Joplin Composição: Dubose Heyward / George Gershwin / Ira Gershwin Summertime, time, time, Child, the living's easy. Fish are jumping out And the cotton, Lord, Cotton's high, Lord, so high. Your daddy's rich And your ma is so good-looking, baby. She's looking good now, Hush, baby, baby, baby, baby, baby, No, no, no, no, don't you cry. Don't you cry! One of these mornings You're gonna rise, rise up singing, You're gonna spread your wings, Child, and take, take to the sky, Lord, the sky. Until that morning Honey, n-n-nothing's going to harm you now, No, no, no, no, no, no, no, no, no, no, no, no, no, no, no, no, No, no, no, no, no, no, no, no, no, no, no, no, no, no, no, no, No, no, no, no, no, no, no, no, no, Don't you cry, Don't you cry, Cry.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

De Profundis- Oscar Wilde

Oscar Fingal O”Flahertie Wills Wilde foi o dândi inglês mais admirado do final do século 19. Frequentador dos salões mais fechados e ambientes mais exclusivos da alta sociedade , ficou conhecido pelas suas célebres tiradas, em que o modo de vida da sociedade londrina, era sempre alvo de suas observacões ácidas (e engraçadas). Autor de obras memoráveis,dentre as quais “O Retrato de Dorian Gray”, caiu em desgraca ao se envolver em um escândalo sexual, em que a família de um jovem aristocrata, com quem vivera um romance, o processa. Condenado, cumpre dois anos de pena encarcerado, onde sua saúde, reputação e condição financeira se arruínam. De profundis foi escrito na época do cárcere. É uma coletânea de sentimentos contraditórios, um diálogo com o ex- amante, onde desabafa sua decepção e seus rancores. Pretendia ser uma espécie de acerto de contas, onde privado da presença do companheiro, escreve-lhe cartas em folhas de papel cedidas pela prisão, mas as tais cartas nunca chegaram ás mãos de seu amante, sendo-lhes devolvidas em sua saída. Mas a obra vai além disso, revelando também a condição do sistema penitenciário inglês, que vai a partir da publicação dessa obra, passar por uma mudança sistemática. Trata-se, portanto, de uma carta-denúncia. Este livro nos revela o autor, seus pensamentos, sua vergonha, sua revolta e sua surpreendente lucidez. Mas sobretudo, é uma carta de amor, pois que esse turbilhão de sentimentos foi aquilo que o ajudou a manter-se, na medida do possível, íntegro e atuante, durante sua estadia na prisão. Oscar Wilde despido de suas máscaras sociais. Vale a pena.